A “Rumo à Katowice” é uma série de análises de todas as equipes que jogarão o IEM Katowice Major 2019. Será divulgado um time por dia, durante 24 dias, até o início das competições na Polônia.

compLexity Gaming

Na nossa quinta análise, vamos estudar a surpresa do FACEIT London Major, a compLexity. Quando ninguém acreditava que era possível, os jogadores passaram do primeiro estágio, o New Challengers Stage, com placar de 3-1 e depois, a parte mais difícil, conseguiram passar do New Legends Stage com 3 vitórias e nenhuma derrota.

O desempenho da equipe no FACEIT Major foi impressionante e eles conseguiram o status de “Legend”, o que os classificou automaticamente para o New Challengers Stage do IEM Katowice, fase que disputarão contra outras 15 equipes.

A maior novidade da equipe para esse Major são as mudanças. ANDROID e yay saíram do elenco para a entrada do australiano Rickeh. O quinto jogador oficial não foi anunciado mas o veterano n0thing será o substituto apenas para Major da Polônia.

Elenco da compLexity atual:

  • Peter “stanislaw” Jarguz
  • Rory “dephh” Jackson
  • Shahzeeb “ShahZaM” Khan
  • Ricardo “Rickeh” Mulholland
  • Jordan “n0thing” Gilbert (stand-in)

É muito improvável que o time consiga repetir os resultados de Londres, ainda mais com grandes alterações. Porém, é difícil saber como eles vêm ao Major, a que patamar podem chegar e como estará o trabalho coletivo.

Em 2018, se analisarmos os jogos em LAN, a compLexity jogou poucas partidas e os números não favorecem muito os jogadores da coL:

  • Inferno: 20 partidas – 13 vitórias (65.0% de aproveitamento)
  • Mirage: 11 partidas – 8 vitórias (72.7% de aproveitamento)
  • Nuke: 10 partidas – 1 vitória (10.0% de aproveitamento)
  • Cache: 9 partidas – 6 vitórias (66.7% de aproveitamento)
  • Dust2: 8 partidas – 3 vitórias (37.5% de aproveitamento)
  • Train: 4 partidas – 1 vitória (25.0% de aproveitamento)
  • Overpass: não jogaram

Apesar do número reduzido de mapas em LAN de 2018, as mudanças na line-up e o incrível desempenho no FACEIT Major (o que não é o comum dessa equipe), o retrospecto em 3 dos 7 mapas da rotação é consideravelmente bom, especialmente nos 2 mais jogados, Inferno e Mirage.

Não sabemos como o time chegará ao IEM Katowice, se os mesmos mapas serão suas principais escolhas, se as mudanças influenciarão no map pool, mas o que sabemos é que stanislaw é um IGL diferente dos usuais. O capitão gosta de manter seus jogadores livres no mapa, inclusive ele mesmo, e por isso possui uma das melhores estatísticas entre os cinco:

  • Rickeh: 1.12 de Rating 2.0 e 75.6 de ADR
  • stanislaw: 1.06 de Rating 2.0 e 77.3 de ADR
  • ShahZaM: 1.05 de Rating 2.0 e 69.8 de ADR
  • dephh: 1.00 de Rating 2.0 e 73.5 de ADR
  • n0thing: 0.95 de Rating 2.0 e 69.6 de ADR

O novo contratado da organização, Rickeh, possui os melhores números entre os cinco que jogarão o IEM Katowice, apesar de ter jogado 2018 pela Rogue, onde foi eliminado na primeira fase do FACEIT Major.

Será que a compLexity repetirá o mesmo desempenho de Londres ou serão eliminados de forma precoce? Até onde essa equipe pode ir na Polônia? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

Leia as análises anteriores: Astralis – Natus Vincere – Team Liquid – MIBR



Autor

Jornalista de formação e apaixonado por Counter-Strike desde o 1.6, quando jogava com os amigos em modos "4fun". No Global Offensive, o amor pela competição falou mais alto. Decidiu escrever sobre esse joguinho que tanto amamos, para quem sabe, se tornar uma profissão no futuro.

Deixe seu comentário